Presidente da República entregou prémios da Fundação Ilídio Pinho em Coimbra

0
1198

O presidente da Câmara Municipal de Coimbra (CMC), Manuel Machado, recebeu ontem, no Convento São Francisco (CSF), o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, que vieram a Coimbra para participarem na cerimónia de entrega de prémios da 14ª edição do concurso da Fundação Ilídio Pinho, “Ciência na Escola”.

A cerimónia aconteceu no grande auditório do CSF, que lotou, com uma plateia entusiasta, que foi distribuindo aplausos pelos governantes e encerrou o período de intervenções a gritar por Portugal.

O presidente da República chegou a Coimbra pouco antes das 12h00. Entre beijos e abraços que foi distribuindo por quem estava presente, e muitas selfies sobretudo com estudantes que participavam na mostra, Marcelo Rebelo de Sousa lá conseguiu entrar no grande auditório do CSF, acompanhado por Manuel Machado, Tiago Brandão Rodrigues, o presidente da Fundação promotora do evento, Ilídio Pinho, e o vereador da Educação da CMC, Jorge Alves.

“A Câmara Municipal de Coimbra tem todo o gosto e honra de se associar a esta iniciativa notável”, afirmou Manuel Machado, naquele que foi o primeiro discurso do dia.

O presidente da CMC elogiou a iniciativa da Fundação Ilídio Pinho, agradeceu a presença do presidente da República na cerimónia e deu os parabéns a todos os intervenientes no Prémio “Ciência na Escola”, destacando sobretudo os alunos, educadores e professores que já participaram no concurso. “Parabéns a todos os que já concorreram”, salientou Manuel Machado.

Um elogio que foi reforçado pelo ministro da Educação. Tiago Brandão Rodrigues deixou, em nome do Governo e de todas as comunidades educativas, “uma palavra especial” aos “diretores, educadores, professores, alunos”, “a todas as escolas participantes”, “aos delegados regionais” e à “equipa de voluntários que possibilitou o evento”.

O ministro da Educação realçou ainda a relevância do prémio “Ciência na Escola”, por mostrar aos mais novos, desde muito cedo, a importância das ciências e do método científico no nosso dia a dia e em contexto de aprendizagem. “Temos nestes meninos e meninas, do jardim de infância até ao secundário, verdadeiros cientistas”, concluiu.

O último discurso coube ao presidente da República. Marcelo Rebelo de Sousa começou por pedir um minuto de silêncio em homenagem às vítimas dos incêndios que assolaram a Região Centro neste mês de junho e uma salva de palmas final para todos os sobreviventes.

O Presidente da República elogiou, de seguida, o mentor do projeto, Ilídio Pinho, contou a todos os presentes que, na altura em que era miúdo, estes concursos não existiam e, dirigindo-se a todas as crianças e jovens presentes na sala, argumentou: “Os que começam nas vossas idades vão depois ser, aqui no nosso país e no mundo, os melhores”. “Vocês vão ser os melhores”, repetiu Marcelo Rebelo de Sousa, pedindo aos alunos que participaram no concurso para se levantarem. “Agora olhem para estes heróis e aplaudam-nos. (…) Eu estou aqui para vos agradecer, em nome de todos os portugueses”, acrescentou, terminando o seu discurso com a pergunta: “Qual é o maior e melhor país do mundo?”. “Portugal”, ouviu-se, em uníssono. “Viva Portugal”, ouviu-se mais uma vez, com o grande auditório a aplaudir de pé.

A Mostra Nacional da 14ª edição do Prémio da Fundação Ilídio Pinho, “Ciência na Escola” decorreu ontem e hoje, no CSF, em Coimbra.

Um concurso que visa motivar todos os alunos, do pré-escolar ao secundário, para a aprendizagem das ciências e para a escolha de áreas tecnológicas e que, este ano, foi subordinado ao tema “Ciência e Tecnologia ao Serviço de um Mundo melhor”.

O prémio é promovido pela Fundação Ilídio Pinho, com o apoio dos ministérios da Educação e da Economia. Já a mostra foi organizada pela Direção Geral de Estabelecimentos Escolares e pela CMC.

O presidente da Fundação Ilídio Pinho também esteve em palco, juntamente com Manuel Machado, Tiago Brandão Rodrigues e Marcelo Rebelo de Sousa.

“Os jovens saíam da escola sem saberem qual era a sua vocação. Hoje há um conhecimento alargado da ciência a toda a comunidade educativa”, afirmou Ilídio Pinho, revelando que a sua Fundação investe “600 mil euros por ano neste projeto”. “Agora, as escolas fazem parcerias com as autarquias, com as empresas, as universidades. Agora, os professores são os verdadeiros empresários do conhecimento científico”, referiu, concluindo: “Está aberto o caminho para o desenvolvimento científico em Portugal”.

A 14ª edição do Prémio “Ciência na Escola” contou com 997 projetos candidatos, sendo que desses foram escolhidos, pelo júri nacional, os 100 melhores para estarem em exposição, ontem e hoje, na Mostra Nacional, no CSF.

Os vencedores da 14ª edição do concurso foram ontem conhecidos. No total, foram distinguidos, 41 projetos, nos cinco escalões, de acordo com a seleção do júri nacional.

1º escalão | Educação Pré-escolar

1º prémio: Escola Básica e Secundária Gama Barros, Cacém, Sintra – DSR LVT, com o projeto Caixa Sismológica

2º prémio: Escola Básica do 1.º Ciclo com Jardim de Infância de Santana – RA Madeira, com o projeto Folhas mágicas

3º prémio: Escola Básica e Secundária de Oliveira de Frades – DSR Centro, À Descoberta do Mundo com o meu Robô

2º escalão | 1º Ciclo do Ensino Básico

1º prémio: Escola Básica São Gonçalo, Torres Vedras DSR LVT, com o projeto Crescer a Brincar

2º prémio: Escola Secundária João Silva Correia, São João da Madeira DSR Norte, com o projeto A urtiga, uma amiga a descobrir!

3º prémio: Escola Básica Infanta D. Mafalda, Rio Tinto, Gondomar DSR Norte, com o projeto Devolver a vida ao rio Com(s)Ciência Ambiental

3º escalão | alunos do 2º Ciclo do Ensino Básico

1º prémio: Escola Secundária de Fundão DSR Centro, com o projeto Tecnologia EM – Invisível, mas eficiente!

2º prémio: Escola Básica e Secundária de Ribeira de Pena DSR Norte, com o projeto Torneira Dzero+

3º prémio: Escola Básica e Secundária de Ribeira de Pena DSR Norte, Ecoplam_doméstico

4º escalão| 3º Ciclo do Ensino Básico

1º prémio: Escola Secundária D. Maria II, Braga DSR Norte, com o projeto Estudo da Influência das Vitaminas no processo de diferenciação de células estaminais

2º prémio: Escola Básica São Gonçalo, Torres Vedras DSR LVT, com o projeto Ver a Sentir

3º prémio: Escola Secundária Abel Salazar, São Mamede de Infesta, Matosinhos DSR Norte, com o projeto Mochila Protetora – protectivebag

5º escalão| Ensino Secundário

1º prémio: Escola Secundária José Belchior Viegas, São Brás de Alportel DSR Algarve, com o projeto”Digi3D” uma solução para a deficiência motora

2º prémio: Escola Secundária D. Maria II, Braga DSR Norte, com o projeto EnergyHarvesting

3º prémio: Escola Secundária de Ponte de Sôr DSR Alentejo, com o projeto”Publi Eco”- Reciclagem Dinâmica

Nesta edição, foi ainda instituído um prémio para o melhor projeto apresentado pelas escolas dos Países Africanos de Expressão Portuguesa. O prémio foi entregue ao projeto “Casca de Ovo no combate ao raquitismo em Moçambique”, da Escola Portuguesa de Moçambique – Centro de Ensino e Língua Portuguesa – Maputo.

DEIXE UMA RESPOSTA